Jordânia

Nome Oficial:  Reino Hachemita da Jordânia

Área: 88.778 km²

Capital: Amã

População: 6,3 milhões (estimativa 2009)

Nacionalidade: Jordaniana

Governo: Monarquia Parlamentarista

Divisão administrativa: 12 províncias

Continente: Ásia

Cidades Principais: Amã, Az-Zarqa, Ar-Rusayfah, Al-Mafraq

Clima: Árido subtropical


A Jordânia é um país do Oriente Médio, limitado ao Norte pela Síria, a Leste pelo Iraque, ao Sul pela Arábia Saudita e a Oeste pelo Golfo de Aqaba, Israel e Cisjordânia.

Está dividida em 12 províncias? Amã, Irbid, Zarga, Balga, Mafraq, Karak, Jerash, Madaba, Ajloun, Aqaba, Ma´na, Tafilah.

Amã, capital da Jordânia, é uma fascinante cidade de contrastes: uma mistura única do antigo e do novo, idealmente situada numa zona de colinas entre o deserto e o fértil Vale do Jordão.

No coração comercial da cidade, vemos hotéis, smart restaurantes distintos, galerias de arte e boutiques lado a lado e sem problemas com coffee shops tradicionais e pequenas oficinas de artesãos. Por todo o lado encontramos testemunhos do longínquo passado da cidade.


Devido à prosperidade atual da cidade e ao clima temperado, quase metade da população da Jordânia está concentrada na zona de Amã. Os subúrbios residenciais consistem, em grande parte, em ruas e avenidas percorridas por árvores e ladeadas por elegantes casas de um branco quase uniforme, de acordo com a lei municipal que diz que todos os edifícios têm de ser revestidos com pedra local.

A região da baixa é muito mais antiga e tradicional e com lojas menores que produzem e vendem de tudo um pouco, desde jóias fabulosas até aos objetos de uso doméstico diário.

As pessoas de Amã são multiculturais, têm várias confissões, são bem formadas e extremamente hospitaleiras. Dão as boas vindas aos visitantes e orgulham-se de lhes mostrar a sua dinâmica e fascinante cidade.

Petra

As montanhas gigantes vermelhas e vastos mausoléus de uma raça extinta nada têm em comum com a civilização moderna e nada mais suscitam a não ser contemplação pelo seu valor genuíno: uma das maiores maravilhas da Natureza e do Homem.

Não obstante muito se escrever sobre Petra, não há nada que o prepare para este local impressionante. Ver para crer.

Petra, maravilha do mundo, é, sem sombra de dúvida, o tesouro mais valioso da Jordânia e a maior atração turística. É uma cidade esculpida na rocha pelos Nabateus, um engenhoso povo árabe que  se fixou por mais de 2000 anos e a transformou num local importante para as rotas da seda, especiarias e outras rotas comerciais que ligavam a China, Índia e a Arábia do Sul ao Egito, Síria, Grécia e Roma.

A entrada para a cidade é feita pelo "Siq", um estreito com mais de 1 quilômetro de comprimento, ladeado por imponentes penedos com 80 metros de altura. Caminhar pelo Siq é por si só, uma experiência única. As cores e as formações rochosas são impressionantes. À medida que nos aproximamos do fim do Siq, começamos a ver Al-Khazneh (Tesouro).

Esta é uma experiência que suscita admiração. Uma fachada imponente com 30 metros de largura e 43 de altura esculpida na própria face rochosa de um rosa poeirento e que faz com que tudo a seu lado pareça minúsculo. Foi esculpida em inícios do século primeiro para ser o túmulo de um importante rei nabateu e representa o gênio deste povo ancestral.

O Tesouro é apenas uma das maravilhas que compõem Petra. Vai precisar de, pelo menos, quatro ou cinco dias para explorar todo este local. À medida que entra no vale de Petra, vai ficar assombrado com a beleza natural deste local e com os notáveis feitos arquitetônicos. Há centenas de túmulos esculpidos na rocha com gravações intrincadas - ao contrário das casas que, em grande parte, foram arrasadas pelos terremotos, os túmulos foram esculpidos para durarem até à outra vida e 500 sobreviveram, vazios, mas impressionantes quando vistos pelas suas escuras aberturas. Aqui há também uma imponente construção dos Nabateus,

Teatro romano com 3000 lugares sentados. Há obeliscos, templos, altares para oferta de sacrifícios e ruas com colunatas e, lá no alto, sobranceiro ao vale, encontra-se o impressionante Mosteiro Ad-Deir - para lá chegar há uma escadaria com 800 degraus cortados na rocha.

No local, há também dois excelentes museus; o Museu Arqueológico de Petra e o Nabateu, ambos com achados das escavações na região de Petra e que dão a conhecer o passado vivo de Petra.

Um tempo do século XIII, mandado construir pelo sultão mameluco Al Nasir Mohammad para comemorar a morte de Aarão, irmão de Moisés, pode ser visitado no Monte Aarão na Cordilheira de Sharah.

No local, há vários artesãos da cidade de Wadi Musa e um acampamento beduíno nas proximidades com bancas montadas e a vender artesanato local, como por exemplo, cerâmica, jóia beduína e garrafas de areia multicolor e estriada, características da região.