Irã

Área: 1.648.196 km²

Capital: Teerã

População: 74,2 milhões

Moeda: Rial iraniano 

Nome Oficial:  República Islâmica do Irã

Nacionalidade: iraniana

Data Nacional: 11 de fevereiro - Dia da Pátria.

Governo: República Presidencialista

Localização: Oriente Médio (sudoeste da Ásia)

Cidade Principais: Teerã, Mashhad, Esfahan, Tabriz e Shiraz.

Densidade Demográfica: 44,9 hab./km2

Fuso Horário: + 6h

População: iranianos 65%, azeris 21%, curdos 5%, árabes 4%, lures 1%, outros 4%.

Idioma: persa (oficial), turco, curdo e árabe.

Religião: islamismo 99,1% (xiitas 93,3%, sunitas 5,8%), bahaísmo 0,6%, cristianismo 0,1%, zoroastrismo 0,1% e judaísmo 0,1%.Produtos Agrícolas: cevada, trigo, beterraba, nozes, tâmara, frutas e cana-de-açúcar

 

Conhecido no Ocidente até 1935 como Pérsia, passou desde então a ser conhecido como Iran (transliterado em Portugal como Irão e no Brasil comoIrã), palavra que significa literalmente "terra dos arianos" (no sentido étnico do termo e não no seu sentido religioso, ligado ao arianismo).

A literatura persa desenvolveu-se a partir do século IX, nas cortes das dinastias locais que resultaram da decadência do califado abássida. A poesia tem sido a forma dominante desta literatura.  A sétima arte chegou ao Irão em 1900, cinco anos depois da sua invenção.  Os seus maiores nomes atualmente são: Mohsen Makhmalbaf, Abbas Kiarostami, Samira Makhmalbaf, Mani Haghigh, Jafar Panahi,Asghar Farhadi, Majid Majid entre outros. E os principais filmes mais famosos são: O Silêncio, 10, Um Instante de Inocência, O Ciclista, Gosto de Cereja, Gabbeh e A Cor do Paraíso. Quase todas as refeições iranianas incluem o pão (nun) ou o arroz (berenj). Existem basicamente quatro variedades de pão: lavash, pão consumido ao pequeno-almoço, achatado e fino; barbari, um pão fofo e salgado, feito com farinha branca e por vezes coberto por sementes de sésamo (gergelim); sangak, pão comprido cozido sobre pedras (sangak significa pedra em língua persa) e o taftun, pão fino em forma oval. Os iranianos preferem o chá ao café. Acompanhando o serviço de chá encontram-se cubos de açúcar (ghand); o costume iraniano manda pegar num cubo, passá-lo pela chávena de chá e depois colocá-lo na boca, junto aos dentes da frente para que se dissolva à medida que o chá vai sendo bebido. O café no Irão é consumido forte, sem leite e com bastante açúcar.